Síndrome das pernas inquietas o que é? Sintomas e Tratamentos

A síndrome das pernas inquietas também, chamada de doença de Willis-Ekbom, é uma condição em que a pessoa sente uma vontade incontrolável de mexer as pernas e move-las até mesmo quando você está dormindo o que impede de ter uma boa noite de sono.

Síndrome das pernas inquietas o que é? Sintomas e Tratamentos

Síndrome das pernas inquietas o que é? Sintomas e Tratamentos

Causas

Na maioria dos casos a causa do RLS é desconhecida porém, ela possui um componente genético e que pode ser encontrado em famílias onde o início dos sintomas aparece antes dos 40 anos. Acreditam-se que a principal causa das pernas inquietas seja, devido a uma desordem da parte do sistema nervoso que provoca a necessidade de mover as pernas.

Pode começar em qualquer idade e geralmente piora à medida em que envelhecemos. Passos simples de autocuidado e mudanças de estilo de vida podem ajudar a aliviar, uso de medicamentos também podem ser um tratamento alternativo em alguns casos.

Evidências consideráveis ​​também sugerem que a síndrome das pernas inquietas estejam, relacionada a uma disfunção em uma das partes do cérebro que controlam o movimento (chamado gânglios basais) que usa a dopamina química do cérebro que tem como função mandar mensagem ao cérebro para controlar os movimentos musculares do nosso corpo.

gânglios basais

A interrupção dessas vias freqüentemente resulta em movimentos involuntários. Indivíduos com doença de Parkinson, outro distúrbio das vias de dopamina dos gânglios basais, têm maior chance de desenvolver este problema de saúde.

Fatores de risco

Confiram abaixo quais são os fatores de risco para a síndrome das pernas inquietas.

  • Doença renal em fase terminal e hemodiálise
  • Falta de ferro
  • Gravidez, especialmente no último trimestre; na maioria dos casos, os sintomas geralmente desaparecem dentro de 4 semanas após o parto
  • Neuropatia (dano nervoso).
  • Uso de álcool
  • Dormir menos que o necessário
  • Tabagismo
  • Anemia
  • Obesidade
  • Doenças crônicas

Sintomas

Pacientes com síndrome de pernas inquietas tem sensações desconfortáveis não só nas pernas mas, ás vezes nos braços, joelhos e em outras partes do corpo. Além, de sentir um impulso irresistível em mover as pernas para aliviar as sensações. Veja outros sintomas abaixo:

Síndrome das pernas inquietas

  • Formigamento
  • Dor latejante
  • Cãibra nas pernas
  • Vontade involuntária de mexer as pernas tanto quando está deitado ou sentado.
  • Sentir alívio quando está em movimento, como alongamento, flexionando as pernas, correndo ou caminhando.
  • Sente uma piora dos sintomas à noite.

Especialistas em Síndrome Das Pernas Inquietas

Caso, você esteja passando por este problema mas, não sabe que tipo de especialista procurar saiba, que os especialistas que podem diagnosticar este problema são os clínico geral ou um neurologista.

Diagnóstico de Síndrome das pernas inquietas

Não existe teste médico especifico para diagnosticar a doença, no entanto, os médico poderá usar exames de sangue e exames neurológico para confirmar se você sofre ou não do problema

O diagnóstico da síndrome das pernas inquietas baseia-se nos sintomas do paciente e respostas a questões relativas a história familiar de sintomas semelhantes, uso de medicação, presença de outros sintomas ou condições médicas, ou problemas com sonolência diurna.

Tratamentos de síndrome de pernas inquietas

Em pessoas com síndrome das pernas inquietas leve ou moderada, as mudanças de estilo de vida, como o início de um programa de exercícios regulares, o estabelecimento de padrões habituais de sono e a eliminação ou diminuição do uso de cafeína, álcool e tabaco podem ser úteis.

Outros tratamentos podem incluir:

  • Massagens de perna
  • Banhos quentes ou almofadas de aquecimento ou pacotes de gelo aplicados nas pernas
  • Bons hábitos de sono
  • Uso de almofada vibratória
  • Se seu problema de pernas inquietas tem como causa o estresse ioga ou meditação, pode ser ótimas técnicas de relaxamento.

Medicamentos

  • Medicamentos que ajudam a aumentar a quantidade de dopamina no cérebro
  • Os benzodiazepínicos, uma classe de medicamentos sedativos, que podem ser usados ​​para ajudar com o sono, mas podem causar sonolência diurna.
  • Analgésicos narcóticos podem ser usados ​​para dor severa.
  • Anticonvulsivantes ou antioxidantes.

Certifique-se de que seu médico conhece todos os medicamentos que você está tomando, tanto prescritos como sem receita médica. Converse com seu médico sobre se eles poderiam estar agravando seu problema.

Classifique este artigo