Sexonambulismo: Entenda mais sobre esse transtorno

Sexonambulismo, uma palavra pouco conhecida, mas com um significado que pode chegar a ser muito grave, bom pela palavra já dá para se ter uma noção sobre o que vamos falar, sobre pessoas que realizam atos sexuais dormindo.

Todos já ouviram falar sobre as pessoas sonambulas, elas se levantam enquanto ainda estão dormindo, passeiam pela casa, conversam, podem até realizar tarefas complexas como cozinhar e sair de casa.

O que é o sexonambulismo

No sexonambulismo, também conhecido como sexsomnia, assim como no sonambulismo a pessoa tem comportamentos como se estivesse acordada, mas nesse caso ao invés de apenas passear e realizar tarefas, ela realiza atos sexuais caso esteja acompanhada ou masturbação.

Um dos problemas disso tudo é o fato da pessoa não se lembrar de nada no dia seguinte, e só poderá descobrir que realmente passa por essa situação caso a pessoa que lhe acompanha note e avise.

 

Outro fato que pode ser um agravante é quando a pessoa que sofre desse problema tenta realizar atos sexuais com pessoas que não conhece ou com parentes próximos, por estar dormindo a pessoa tentará realizar o ato sexual, e por estar ligada no ”modo automático” poderá ou não ser agressiva.

Cerca de 7% da população tem esse distúrbio do sono, não há um consenso da porcentagem exata, já que grande parte das pessoas optam por não revelarem esse distúrbio por se sentirem envergonhadas, a grande maioria dos casos ocorre com homens, mas apesar de raro também pode acontecer com mulheres.

Alguns dos comportamentos que uma pessoa que tem sexonambulismo pode realizar são carícias, sexo oral, relações com clímax e até mesmo estupro.

Causas comuns

Alguns fatores podem contribuir para que o sexonambulismo possa acontecer, dentre eles estão:

  • Uso de álcool
  • Estresse
  • Fadiga
  • Apneia obstrutiva

É perigoso? Tem cura? O que fazer?

Bom, ser acordado e ser forçado a realizar atos sexuais com o parceiro já não é agradável, pior ainda é quando isso acontece com quem não é parceiro sexual, além de gerar agressão por pela parte que está sendo forçada, ainda há o risco de contrair doenças sexuais já que não haverá um método preventivo.

Infelizmente esse é um distúrbio que não tem cura, porém ele pode ser controlado com remédios que podem diminuir os sintomas em pouco tempo, e para isso é necessário procurar um médico e um psicoterápico.

As informações obtidas nesse artigo foram encontradas na internet e portanto são meramente informativas, caso sofra de algum distúrbio é sempre ideal procurar um médico, não realizamos nenhum tipo de diagnóstico ou tratamento.